Notícias

04 de setembro

Três equipes representam Guarapuava na Olimpíada Brasileira de Robótica

Desde 2007, a Olimpíada de Robótica é realizada no Brasil. O evento iniciou com 6.500 inscritos na primeira edição e, 10 anos depois, em 2017, o número de inscrições saltou para 142.287. Dividido nas fases regional, estadual, nacional e internacional, a Olimpíada possui as modalidades prática e teórica, sendo possível inscrever alunos com até 19 anos de idade.

 

Na fase da região de Guarapuava, que reuniu mais de oito municípios, equipes guarapuavanas figuraram entre os finalistas, por isso conquistaram vaga para representar a cidade em nível estadual. Três equipes, compostas por quatro estudantes cada, participaram da etapa estadual da Olimpíada Brasileira de Robótica no último mês de agosto, no município de Colombo. Entre as equipes, duas são da Prefeitura de Guarapuava, integrantes da oficina de robótica da rede municipal, e a terceira equipe é composta por estudantes da escola Optimus.

 

Em outras duas edições, 2013 e 2014, equipes da Optimus representaram o Paraná na competição em nível nacional, ficando entre as 10 melhores equipes do país. “Guarapuava precisa ganhar destaque já que têm grandes iniciativas na parte de tecnologia e inovação. Muito está se falando sobre isso dentro da cidade, principalmente agora com a articulação de um Ecossistema de Inovação”, afirma o diretor da Optimus, Lucas Virmond Ribeiro.

 

Projeto laboratório de robótica

Há dois anos, a Optimus é responsável pela execução da oficina de robótica e pelo desenvolvimento do laboratório de robótica dentro da Escola Municipal Antonio Lustosa de Oliveira, onde ocorrem as oficinas de robótica. “Este projeto atende mil alunos por ano, de 44 escolas, sendo 22 no primeiro semestre e 22 no segundo semestre. As vagas são distribuídas pela Secretaria de Educação, a partir da inscrição dos alunos”, explica Lucas.

 

A Optimus auxilia nos treinos dos estudantes, contribuindo para o desenvolvimento de habilidades e competências, desde a inteligência emocional, criatividade, visão espacial, desenvolvimento do raciocínio lógico, socialização, troca de ideias, pensamento crítico para participar de uma competição, até o apoio de conhecimento técnico e pedagógico.

 

Competição

A competição da Olimpíada de Robótica que a equipe da Optimus participa tem um formato de arena de desafios, onde os alunos são responsáveis por desenvolver um robô completamente autônomo, e a temática deste desafio é uma situação de desastre natural.

 

“Nada mais é do que um robô de resgate. Os desafios dessa arena representam condições adversas, para que o robô chegue até a vítima e consiga fazer o resgate. Temos obstáculos, falhas de percurso, e o robô tem que resolver isso de forma autônoma. Como? Os alunos programam isso com a lógica de como fazer um robô detectar cada coisa, com sensores”, relata o diretor da Optimus.

 

A etapa nacional da Olimpíada ocorrerá entre os dias 22 a 26 de outubro, no Rio Grande do Sul.