Notícias

26 de setembro

Com atividade ainda em queda, indústria do PR torce por alento em ânimo do consumidor no 2º semestre, aponta Fiep

Fonte: Agência Fiep

A indústria paranaense registrou, em julho, mais um indicativo de que ainda não deu início ao processo de recuperação. Os três índices que compõem os Indicadores Conjunturais apresentados mensalmente pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) — Vendas Industriais, Compras Industriais e Nível de Emprego — registraram retração nos primeiros sete meses do ano na comparação com o mesmo período do ano passado. O alento, porém, encontra-se em dois itens avaliados pelo levantamento: horas trabalhadas e utilização da capacidade instalada, que registraram alta e estabilidade, respectivamente. Somados à sazonalidade do segundo semestre, influenciado positivamente pela injeção de ânimo com o 13º salário e maior disposição para o consumo por conta das festas de fim de ano, o horizonte pode sinalizar um leve aumento nas vendas para os próximos meses.
Ainda assim, o resultado do primeiro mês do segundo semestre confirma tendência de encerramento do ano com resultado abaixo do obtido em 2015. “Se confirmada essa tendência, serão três anos consecutivos de queda na indústria paranaense”, explica Roberto Zurcher, economista da Fiep.

O indicador de Vendas Industriais segue encolhendo; no período avaliado, apresentou queda de 4,26% na comparação com os primeiros sete meses de 2015. No mês a mês (julho contra junho), a queda foi de 1,20%, alterando o cenário típico do período, informa Zurcher, uma vez que julho é tradicionalmente um mês de expansão das vendas industriais. “Trata-se de uma performance atípica, diretamente relacionada à crise que enfrenta o país”, analisa. “A queda registrada nos primeiros sete meses de 2016 sobre o mesmo intervalo do ano passado é resultado dos três anos de encolhimento da atividade econômica nacional”, observa. O desempenho das vendas também foi negativo se comparado julho deste ano com o mesmo mês do ano anterior: queda de 5,45%.

Compras de Insumos seguem o mesmo caminho de retração. O resultado medido nos primeiros sete meses deste ano apresenta queda de 3,31% na comparação com janeiro a julho de 2015. A variação é negativa também na medição de julho contra junho, com recuo de 1,29%.

Houve queda também no nível de emprego – total e diretamente ligado à produção — segundo cálculos da Fiep. Entre janeiro e julho deste ano, o recuo foi de 3,06% e 0,38%, respectivamente. A queda na comparação entre julho e junho, quando o encolhimento foi de 0,86% e 0,83%.

Dois 18 gêneros pesquisados pela entidade, 13 registraram encolhimento quanto ao emprego no período analisado. As maiores quedas foram em Têxteis, Refino de Petróleo e Produção de Álcool, e Máquinas e Equipamentos.
A massa salarial, no sentido inverso, registrou elevação de 1,27% entre junho e julho. As horas trabalhadas subiram 6,40% também no mês a mês, e a capacidade instalada da indústria do Estado manteve-se constante, em 72%, dois pontos percentuais superior ao identificado em julho do ano passado — na avaliação da Fiep, são sinais que podem apontar para alguma melhora do setor, ainda que discreta, que poderá ser conferida nos próximos meses.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos que qualquer dúvida sobre os seus dados, você pode entrar em contato com o DPO da Acig, Margarete Freitas – dpo@acig.com.br(42) 3621-5501.